Interestelar – A melhor combinação entre a ciência, as emoções e o desconhecido.

Quando eu criei este blog, não tinha pretensão sobre cinema, embora esta seja uma de minhas  (muitas) paixões. Não é que não tivesse vontade de escrever do tema, mas não me satisfaz escrever apenas uma vez e nunca mais.
Mudei de opinião depois que vi Interestelar (Christopher e Jonathan Nolan, 2014).

Já adianto que este filme entrou para o meu Top 10 da vida toda, que inclui, entre outros filmes, sem ordem de classificação, Forrest Gump (1996), Gattaca (1997), Seven Samurai (1954), Wall-E (2008), Batman – The Dark Knight (2008).
Interestelar é um filme que combina magistralmente ficção científica, emoção e uma pitada de esoterismo, que também beira o científico. A premissa básica do filme é a descoberta de novos mundos, com a necessária intervenção de conceitos e ideias da física, como gravidade, buracos negros e buraco de minhoca. Tudo isto sem deixar de lado as consequências emocionais, físicas e psicológicas que humanos sofrem ao lidar com tais variáveis.
Neste sentido, Interestelar não se destaca pelas atuações, embora Matthew Mcconaughey roube a cena em diversas vezes, mas sim porque é um filme intenso. Em muitas tomadas, é difícil deixar de sentir a empatia com os personagens do filme, tal é a imersão que o mesmo proporciona. Há uma clara sensação de que qualquer merda pode acontecer aos personagens principais, e isso causa uma aproximação muito forte, entre esperança, expectativa e agonia. Não foram poucas as vezes em que me segurei na cadeira achando que eu estava na tela e na nave. E não foram poucas as vezes em que a história deu um grande virada e me surpreendeu.
A trilha sonora é uma verdadeira viagem em si mesma. Parece uma característica comum dos filmes de Nolan, que trazem uma gama musical que tem a ideia de conduzir o espectador, com destaque para os momentos de epifania. Lembrando aqui de Batman, A Origem e o Grande Truque.
Interestelar é um clássico instantâneo. Daqueles que por mais que dure três horas, você não sente o tempo passar. Daqueles que te fazem refletir sobre a sua vida desde o começo. Arrisco a dizer que esta é a principal qualidade do filme, e o seu mote. Embora o pano de fundo seja pura ciência, há uma grande reflexão por trás do filme, há o elemento filosófico, sobre o porquê da vida e o papel dos humanos, o porquê do amor e por último, mas não menos importante, um forte elo entre a física e a religião.
[spoilers] Minha cena favorita é certamente aquela do planeta em que 1 hora dura sete anos terrestres. E claro, o final no Tesseract.
Nota: 9,5/10
Replay: SIM!

One thought on “Interestelar – A melhor combinação entre a ciência, as emoções e o desconhecido.

  1. Sou apaixonado por esse filme… um dos melhores de ficção científica, com certeza. É uma pena que tenha sido tão mal recebido. Recentemente escrevi um artigo sobre ele para um outro blog e a maioria dos comentários era de pessoas que não tinham gostado, por acharem falhas no roteiro, nos conceitos físicos ou simplesmente por acharem o filme chato. Esses últimos eu consigo entender bem (um filme de sci-fi de quase 3 horas não é pra todos os gostos), mas considero o roteiro ótimo e, embora não seja físico, me parece que os conceitos de física foram muito bem trabalhados, e levados muito mais a sério do que em muitos sci-fi mais populares por aí.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.