Por que a Nova Zelândia?

Sarliman: Um grande amigo meu fez a primeira viagem internacional da vida dele para a Nova Zelândia. Pode isso Arnaldo? Claro que pode. Memórias, Esportes Radicais e uma mudança de vida. A Terra dos Kiwis tem muito a oferecer!

Guest: Rafael

Olá! Eu sou o Rafael, o barbudo que vocês devem ter visto com o André nas fotos na Alemanha. Há muito tempo eu e ele conversamos sobre nossas ideias de compartilhar o conhecimento adquirido em nossas viagens e agora eu finalmente estou colocando isso em prática. Nas próximas semanas passarei a postar junto com ele aqui no blog, falando sobre uma viagem que fiz sozinho no começo de 2014: Nova Zelândia (vocês vão ver nas fotos um cara diferente, sem barba, mas sou eu mesmo, haha). Nesses posts darei dicas pra quem tem vontade de ir pra lá e contarei como foi a minha própria experiência, principalmente em Queenstown, que foi a cidade onde fiquei mais tempo.

 

Por que a Nova Zelândia e por que Queenstown?

Daí você pode me perguntar: por que Nova Zelândia? Bom, era a minha primeira viagem internacional. Eu estava com 24 anos e louco pra começar a conhecer o mundo. Consegui um mês de férias com o escritório no qual trabalhava na época. E embora a minha vontade seja de conhecer o mundo inteiro, penso que a primeira viagem tem que ser algo especial, algo marcante, e pra isso eu queria fugir do convencional, dos destinos batidos, como Estados Unidos, Canadá e Europa – tudo isso eu poderia conhecer depois. A primeira viagem tinha que ser algo único e original.

Queenstown_from_Bob's_Peak
Vista aérea de Queenstown, direto do Bob’s Peak

Daí eu pensei na Nova Zelândia, por ser inusitado, pela minha vontade de ser diferente, e por ser um país com muita coisa pra ser ver e fazer. E é claro, por ser o país onde filmaram toda a trilogia do Senhor dos Anéis, hehehe. E eu posso dizer que essa escolha não me decepcionou nem um pouco. Pelo contrário: foi a melhor que eu poderia ter feito. A Nova Zelândia é um país fantástico que atendeu e superou todas as minhas expectativas. Hoje eu penso em quando poderei voltar pra lá e até se não seria uma boa ideia até tentar viver lá.

Trata-se de um país pequeno, localizado na Oceania, composto de apenas duas ilhas que juntas compõem um território de aproximadamente 260 mil km² (ou seja, apenas um pouquinho maior do que o estado de São Paulo), e com quase 4,5 milhões de habitantes. Por ser tão pequeno, alguém poderia pensar que dá pra ver o país inteiro em poucos dias, mas tem tanta coisa pra se ver e fazer lá que eu fiquei um mês e não vi um décimo do que gostaria.

A ilha sul tem temperaturas mais baixas e ar mais seco, enquanto a norte tem tempo mais quente e ar mais úmido. As estações do ano são muito bem definidas. O inverno não chega a ser um problema (pelo contrário, muita gente vai pra lá no inverno pra praticar esportes de neve), então dá pra visitar em literalmente qualquer época do ano.

Entrada & Visto

WP_20140523_004
Portal para recepção de viajantes internacionais, no aeroporto de Auckland

É bem fácil entrar no país. Quem tem passaporte brasileiro pode ficar na Nova Zelândia como turista por até três meses sem a necessidade de tirar o visto antes da chegada no país. Ou seja, o procedimento de visto é feito no aeroporto quando você chega lá, e é super tranquilo. A imigração exige que você tenha apenas passaporte válido, bilhete de saída (em no máximo três meses) e dinheiro pra se manter nesse período.

E ainda assim, a fiscalização deles não tá lá muito preocupada. Eu cheguei todo apreensivo com meus documentos devidamente organizados na pastinha, mas o fiscal não pediu pra ver nada. Conversou comigo durante menos de um minuto, carimbou meu passaporte e boa. Todas as pessoas com quem conversei (brasileiros por lá) tiveram experiências parecidas. Não estou dizendo pra ninguém tentar burlar qualquer dessas regras, pelo contrário: tenha certeza de segui-las à risca pra não ter problemas (até porque são exigências bem tranquilas, comparadas com outros países); só estou dizendo isso pra você não ficar super nervoso (como eu fiquei) na hora de passar pela imigração, pois eles são super tranquilos e, obviamente, quanto mais turistas pra eles, melhor.

Planejando a viagem

Pra conseguir um mês inteiro de férias no escritório (que normalmente só permitiria 15 dias por semestre), eu tive que “inventar” um intercâmbio. Isso nem de longe foi ruim, pois eu fiz muitos amigos na escola de inglês que frequentei. Por sinal, a Nova Zelândia é um país muito procurado por estudantes internacionais para aprender ou aprimorar o inglês, então muitas cidades tem bons cursos de inglês apropriados pra todos os níveis, desde quem não fala uma única palavra no idioma do Tio Sam até quem já fala bem e quer se preparar pra um exame específico, como o IELTS.

WP_20140527_026
Beach Street, que margeia o Lago Wakatipu

Como ainda não tinha experiência com viagens internacionais, optei por contratar uma agência de intercâmbio, e escolhi a Nova Zelândia Brasil, que me atendeu de forma excelente. Daria pra ter pesquisado tudo sozinho, mas eu tava sem tempo na época por causa do trabalho no escritório e na agência eles já tem todas as informações mastigadinhas, é só chegar e escolher o que você quer.

E se você está em dúvida sobre qual cidade escolher, na agência eles vão estar prontos pra te aconselhar, mostrando os pontos positivos e negativos (se houver) de cada cidade. No caso da Nova Zelândia Brasil, eles têm um consultor especialista em cada cidade. Eu cheguei na agência já com a ideia de ir pra Queenstown, e os consultores só me ajudaram a reforçar essa idéia.

Queenstown

E por que Queenstown? Há inúmeros motivos pra se escolher essa maravilhosa cidade, mas o que contou mais pra mim: é a capital mundial dos esportes radicais. Bungy jumping, skydiving, paragliding, rafting e tudo mais que você puder imaginar de radical (pretendo dedicar um post só pra isso). Além de ser a capital mundial dos esportes radicais, é a capital neozelandesa dos esportes de inverno.

WP_20140527_039
Lago Wakatipu

Para o curso, escolhi a Southern Lakes English College. O nome da escola vem do fato de que Queenstown está localizada na área dos grandes lagos da ilha sul, além de estar bem na margem do belo Wakatipu Lake. Eu frequentava o curso nos dias da semana de manhã (quando não tava de ressaca da balada da noite anterior) e tinha a tarde livre todos os dias pra fazer o que eu quisesse (embora a maioria dos estudantes opte por fazer o curso em período integral).

Enfim, além dos esportes radicais e de inverno, Queenstown é conhecida belas suas belezas naturais, por outras atividades ao ar livre com menos adrenalina (como trilhas para se fazer a pé, de carro ou de bicicleta), por sua cena gastronômica heterogênea, por sua vinículas de qualidade interncional (a cidade é conhecida por produzir bons vinhos da uva Pinot Noir) e por ter uma vida noturna bem animada, de fazer inveja em muitas cidades bem maiores. Sobre esse último ponto, falarei mais no meu próximo post.

Até a próxima!

 

9 thoughts on “Por que a Nova Zelândia?

  1. Ótima introdução Rafael. Me identifiquei muito com sua história, pois a primeira viagem internacional também foi na forma de intercâmbio fugindo do padrão brasileiro em visitar EUA, Canada ou Europ. Ano passado passei um mês estudando ingles na Australia (Gold Coast) e a experiencia foi sensacional. E tive a chance de curtir Queenstown por cinco dias. A cidade mais linda que já estive! Tem algum e-mail para trocarmos ideias!? Estou planejando anonque ven um novo intercâmbio, dessa vez para a NZ e Queenstown é forte candidata! Meu e-mail é adv.andreluizbomfim@hotmail.com abs!

  2. Olá Rafael, ano que vem irei estudar nessa mesma escola onde vc estudou, e gostaria de saber algumas informações sobre ela, se é boa e tals, pois não conheço ngm que já estudou lá!! Obrigado e parabéns pelo post!!

    1. Germano, a Southern Lakes é muito boa, recomendo. Obrigado pelo elogio e boa sorte na NZ, espero que a sua viagem seja fantástica, como a minha foi. Se puder, volte aqui no Revoando depois e comente como foi!

    1. Difícil dizer! Depende muito do estilo de vida de vocês. De toda forma, eu estive lá apenas como turista e fiquei em um alojamento de estudantes. Recomendo que você consulte alguém que já vive lá. No facebook há diversos grupos de brasileiros que vivem na Nova Zelândia, onde se discute bastante esse tipo de coisa. Certamente num desses grupos alguém poderá ajudá-lo 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.