São Paulo – O notável da comida asiática na Liberdade.

Uma contradição nasceu no asfalto! Quando eu criei esse blog eu nunca pensei em escrever da minha cidade natal, São Paulo. Acontece que eu também, por vezes, me sinto um turista na cidade. Sabe como é, gosto de explorar alguns cantos, bairros e ruas. E me perdoem a aliteração, mas um destes cantos me encantou de uma forma que eu não podia deixar de escrever: a Liberdade. Ainda mais por que eu sou fissurado em comida japonesa. Nesse post eu fiz uma lista dos restaurantes japoneses e asiáticos que mais me agradam na Liba.

 

São Paulo – O notável da comida japonesa na Liberdade.

despertar-sp-liberdade

.

Desenvolvendo as papilas gustativas.

gokugif
Quando eu como comida japonesa

Sempre fui um entusiasta da cultura japonesa. Comecei como muita gente: desenhos e séries que passavam na TV aberta, como Jaspion, Jiraya, Changeman, Cavaleiros do Zodiáco, etc. De lá foi um pulo até eu me interessar também por músicas, história e mitologia asiática. Para me tornar um entusiasta da comida japonesa demorou um pouco mais. Tinha uma espécie de barreira intransponível – eu simplesmente não entendia como as pessoas poderiam gostar de comida crua. Eu mal sabia que também tem vários pratos quentes.

Em muitos mercados de São Paulo, especialmente na Zona Sul (entre o Jabaquara e a Ana Rosa) há diversas mercearias e mercados que são inteiramente orientais ou também vendem estes itens da ásia. Muitas delas vendem sushis e sashimis na forma de bentôs (aliás, um costume bem japonês), em pranchas de isopor. A minha primeira vez com um prato que tinha Sashimi de Salmão, dois niguiris de salmão, hossomakis de salmão, kani e pepino e um niguiri com omelete.

Eu odiei. Aquele arroz meio agridoce e ao mesmo tempo sem gosto. E peixe cru! E adivinhem: eu coloquei a bolotinha de Wasabi na boca, inteira!

wasabi
Colocar uma bolinha de Wasabi na boca na primeira vez: básico dos Sushi noobs! E eu passei por isto.

Não curti, não gostei. Mas foi o suficiente para atiçar a minha curiosidade. Afinal, muita gente adora Sushi e Sashimi. Do nada, comecei a ter vontade de provar novamente. E comecei a me sentir atraído por aquele Sashimi cortado milimetricamente em finas fatias. Eu resolvi dar mais uma oportunidade ao Sushi.

Comprei mais um bentô novamente e me dei a oportunidade de provar, realmente, os Sushis e Sashimis, de forma uma forma alongada. Foi quase um orgasmo! Eu aceitei na dose perfeita de Shoyu e coloquei o peixe para mergulhar, de leve, e só uma face. Levei até a minha boca e senti a carne tenra e macia praticamente derreter junto à minha língua.

Desde então eu virei um entusiasta de verdade e comecei a frequentar mais restaurantes. Claro, falta muito para ser um Sushiológio, se é que assim se chama.

Não me lembro o nome do primeiro restaurante que frequentei. Eu trabalhava na região do Itaim Bibi e Vila Olímpia e conheci alguns de lá. Mas o meu objetivo aqui é falar da Liberdade. E de lá, eu me lembro muito bem qual foi o primeiro restaurante que pisei. E até hoje é que eu mais gosto. E é com ele que eu começo a minha lista.

.

Porque Sim – É a resposta óbvia para uma pergunta óbvia: Por que comer aqui?

Avaliação: sushisushisushisushisushi SUBARASHI

Foi um verdadeiro acaso a minha visita ao Porque Sim. Eu estava andando de bike no Ibirapuera, em fins de janeiro. De repente encontrei diversos antigos amigos que não via há tempos – a maioria deles não morava na capital. Eles me convidaram para ir em um videokê, na Liberdade. Cantar Don’t Stop me Now!

Acatei o pedido e partimos para a Liberdade. Posso falar: no começo eu tinha um pouco de preconceito com o bairro. Afinal a Liberdade fica no centro, e se no centro você não conhecer as quebradas e andar com cara de tacho com olhar de turista vulnerável, pode virar um alvo de trombadinhas. Felizmente não tivemos nenhum problema. Descemos no metrô e andamos pela Galvão Bueno, atravessando o viaduto da 23 de maio. Logo a segunda rua à direita, encontramos a rua Tomás Gonzaga. Um restaurante com uma fachada verde, pequena, acanhada. Subimos uma escadinha que parecia de um motel. Entramos numa sala com sofás pretos acolchoados que pareciam de um motel. Pegamos um telefone, que parecia de um motel, e fizemos o nosso pedido. Eu não tinha ideia do que queria e resolvi seguir alguns colegas no Lamen. O Lamen!? Mas eu já estava cansado de comer miojo por anos a fio. Bateu um arrependimento. Mas o arrependimento durou pouco. Vi aquela massa fumegante mergulhada num micro-oceano de sopa sobre o qual navegavam as tiras de omelete, kani, cebolinha, nirá e outros ingredientes.  O gosto foi incrível fantástico. Ele adquiriu alma, se tornou uma ideia… uma obsessão! De querer mais, de conhecer mais.

Essa obsessão me perseguiu e eu resolvi que tinha que voltar lá o quanto antes, e não necessariamente deveria ser para cantar. E na segunda vez que fui alguns meses depois, pedi um prato diferente. Mas isso criou um problema. Desde então, eu nunca consegui encontrar um Tonkatsu Karê igual. Para quem é leigo no assunto papilas gustativas nipônicas: É um prato servido com gohan, um molho de curry especial com batatas, cenouras e carnes, conservas, e um lombo de porco à milanesa frito com maizena. O prato também acompanha a sopa de pasta de soja, Missoshiru, um ovo frito estralado e salada.  Olha, depois que eu comi este prato, com toda certeza eu imagino qual deve ser a sensação de usar alguma droga como heroína pela primeira vez. A partir daí passei a ser um viciado em Karê. E eu digo que o Porque Sim tem o melhor Karê que eu já comi, superando inclusive os que eu comi no Japão, em plena Kyoto. Até hoje, eu não encontrei igual.

thumb_600
Tonkatsu Karê. Foto: divulgação / Porque Sim

O serviço também é excelente. Até hoje nunca tive problemas com isto. O restaurante, por ter poucas mesas, é mega-concorrido. Por isso, dependendo do dia, talvez você tenha que esperar um tempo – por vezes, mais de meia hora.

Quem passa em frente a este restaurante, que tem uma fachada de cerca de 4 metros, nem imagina a qualidade incrível que está dentro de lá. Pois é, o Porque Sim é um dos muitos restaurantes “escondidos” da Liberdade, daqueles que é muito conhecido no boca a boca. Pudera, eles se preocupam mais em oferecer um bom serviço do que tornar o restaurante fancy ou chique.

Informações:
Rua Tomaz Gonzaga, 75, Liberdade.
Site: http://www.karaokeboxporquesim.com.br/
N
ão abre às quartas-feiras e ao primeiro domingo do mês.

O que eu recomendo: Tudo, especialmente o Karê e o Lamen.

.

Mugui – Como se fosse feito pela vó.

Avaliação: sushisushisushisushisushi SUBARASHI

Imagina você estar no centro de São Paulo e te convidam para entrar em um prédio sem placa do lado de um estacionamento. Ninguém te fala nada, e você só sobe as escadas e imagina estar adentrando um lugar proibido. À sua direita tem uma porta de correr e você entra e vê uma construção um tanto antiga, meio anos 50, 60, um grande balcão e algumas mesas. Você está no Mugui, um dos meus restaurantes favoritos e uma das comidas mais gostosas que já teve a honra de descer ao meu estômago. Você com toda certeza e justiça, ao ler isso, e presenciar com os próprios olhos, vai duvidar da mágica que eu narro desta comida. E com certeza você se surpreenderá. Como eu me surpreendi. O Mugui é uma espécie de comida japonesa de vó, da Baa Chan. É praticamente um restaurante familiar. Aliás, é tão “escondido” que você vai sentir liberando um personagem especial num jogo de luta. Tanto é que o Mugui não tem site. Quem frequente o faz porque conhece a região ou foi indicado por alguém.

.

mugui
Tão bão que parece comida de vó. E o Mugui é gerenciado há mais de 30 anos pelas mesmas pessoas. Foto: Foursquare

Algo que você precisa saber é: o Mugui só vende pratos quentes, tirando alguns sobas gelados. Isto é, nada de Sushi e Sashimi! Eles servem a comida que os japoneses comem no dia-a-dia (no Japão, os Sushis são considerados especiais e são comidos em ocasiões festivas, especiais ou em restaurantes um pouco mais dedicados), então, se prepare para uma ótima seleção de Teishoku (prato feito), massas, curry e carnes.

Eu poderia ficar dias falando de todos os pratos do Mugui, mas vou falar em especial do Karê, que é bem trabalhado e feito como se fosse alguém da sua própria família cozinhando para você. Eu também gosto muito do macarrão frito (você pode pedir para eles fritarem os Soba), do Yaki Udon (espécie de Yakisoba feito com macarrão macrobiótico), e o meu preferido: Tonkatsu – a milanesa de lombo de porco, servido como Teishoku, o que inclui uma salada de pepino agridoce, arroz e conserva. Também dá pra pedir na forma de Domburi.

DSC_0773
Yakiudon. Tempero na medida certa.
DSC_0774
Curry Lamen – Macarrão com molho de curry.

Dizem que o Pudim de Leite Condensado com limão também é excelente, e se você experimentar, pode me falar como foi! Eu sempre me esqueço de pedir.

Informações:
Rua da Glória, 111, 1º andar, sala 11
Site: não há.
Fone: 3106-8260

 

Deigo – Culinária de Okinawa.

Avaliação: sushisushisushisushisushi SUBARASHI

O Deigo é mais um dos restaurantes meio escondidos da Liberdade. Ele fica perto do viaduto na Praça Almeida Júnior, entre a Rua da Glória e a Francisco Furtado. Mais três motivos para que ele não seja achado facilmente: ele não tem placa, não tem site, e não abre de dia. E eu não esqueço quantos dias eu procurei o lugar pra almoçar até achar que ele estava fechado e que eu nunca visitaria o Deigo. Até que eu notei que uma simples portinha, em uma fachada, com típicas lâmpadas japonesas na entrada, era o Deigo. Só então me toquei, e confirmei, pesquisando pela internet, que o Deigo só abria a noite. Coloquei como missão comer naquele restaurante, que eu tinha descoberto por acaso, ao digitar “melhor restaurante da Liberdade” na internet. E eu quis saber o porquê da sua fama!

Consegui uma noite adentrar no recinto. Me senti de volta no tempo, no Japão da década de 30. Móveis de madeira, um balcão antiquado, algumas mesas, e quase nada que lembre um restaurante moderno. Ótimo, era isto mesmo que eu queria. Olhei ao redor e vi praticamente só japoneses. Dizem, e eu acredito, que os bons restaurantes japoneses são aqueles que os japoneses frequentam, e este é um deles.

O Deigo é especializado na culinária de Okinawa, e é isso que eu sugiro que você prove. Tenha certeza, você não vai se arrepender: a culinária das ilhotas do sul do Japão é uma delícia e tem muitas peculiaridades. A mais notável: Eles usam carne de porco. Por isso a minha sugestão é – vá direto no Okinawa Soba, o macarrão ensopado.

DSC_0010
Okinawa Soba – Contém costela de porco. Cuidado para não babar antes de comer.

Tem mais: joelho de porco. Até parece um prato alemão, mas não é. Fica de sugestão também. Abuse do gengibre e dedique um dia especialmente pra desintoxicar de sushi e sashimi. Deixe as papilas prontas para saborear o tempero do joelho de porco. É tão gostoso que dá vontade de chorar.

Informações:
Praça Almeida Júnior, 25, Liberdade.
Site: não há.
Fone: 3207-0317

.

Os três são os meus favoritos. Abaixo, alguns outros restaurantes dignos de nota também são:

.

Sushi Lika

Avaliação: sushisushisushisushi OISHII

O Sushi Lika tem o melhor Sashimi que já comi na Liberdade. Ponto. O preço é um pouco mais salgado (pode passar facilmente de R$ 50,00) do que os outros, mas acredite, vale a pena. A comida é tratada como uma obra de arte, e não no sentido chique, mas no sentido de que ela é servida nos mínimos detalhes, e detalhes japoneses! Eu simplesmente adoro o Sashimi Teishoku deles, que acompanha fatias bem servidas de Sashimi, com gohan, conservas, saladas e um ingrediente que até hoje não sei qual é, mas é muito bom rs.

sushi-lika
Os deliciosos Sashimis do Sushi Lika. Foto: Marcelo P., TripAdvisor

O grande diferencial deles é servir o Toru, que é considerado o filé do atum, a parte mais gorda e deliciosa, oriunda daa barriga do peixe. É tão gostoso que você coloca na boca e mareja os olhos e imagina se algum dia vai achar sabor igual. O preço é proporcional ao prazer: o par custa mais de R$ 18,00.

Informações:
Rua dos Estudantes, 152, Liberdade.
Site: Não há.
Fone: 3207-7435

 

.

Okuyama

Avaliação: sushisushisushi 

DSC_0816
Teishoku da casa. Fantástico.

Outro restaurante cuja fachada e o interior engana. É meu amigo, os bons restaurantes japoneses que eu frequentei são muito mais ligados ao conteúdo do que à imagem por si só. O Okuyama é fantástico e serve tanto pratos quentes quanto frios. Ele também serve pratos de Okinawa, como o Soba. O que mais chama atenção é o Teishoku da casa, que acompanha cinco fatias tenras e gordas de Sashimi (o segundo melhor da região), arroz, o Yakizakana, ou seja uma deliciosa anchova grelhada, e a melhor porção de conservas da Liberdade.

O restaurante fica no setor de Karaokês da liberdade, ao lado de uns três ou quatro estabelecimentos, como a famosa Chopperia da Liberdade.

Informações:
Rua da Glória, 553, Liberdade.
Site: http://restauranteokuyama.com.br/

.

Rong He

Avaliação: sushisushisushi 

Comida chinesa boa, de excelente qualidade, e muito barata? É possível e existe na Liberdade. O Rong He foi uma grande descoberta para mim. Há uma variedade enorme de pratos: mais de 100, dentre massas, frituras, risotos, macarrão, carne, ensopados, etc… E por incrível que pareça, o serviço foi extremamente rápido: em menos de 10 minutos tanto o meu Guioza de Carneira como o Lamen com almôndega de peixe vieram. E rápido não quer dizer frio, muito menos ruim. Muito pelo contrário. A guioza era uma delícia, por isso eu a recomendo também. O Lamen, muito bem servido. Aliás, tome nota: muitos pratos servem duas ou mais pessoas, e custam entre 15 a 40 reais, então já viu né? É possível economizar bastante.

foursquare
Foto: Foursquare

Interessante: você pode ver os cozinheiros fazerem a sua massa na hora.
Interessante dois: o macarrão é tão grande que os pratos acompanham uma tesoura.

Informações:
Rua da Glória, 622, Liberdade.
Site: http://ronghe.com.br/

.

Tanka Asian Kitchen

Avaliação: sushisushisushisushi OISHII

Rodízio de comida oriental para comer muito, muito mesmo. Por cerca de R$ 60,00 (preço em julho de 2015), você come a vontade: saladas, pratos quentes, temakis, frituras, assados coreanos, tempurás, grelhados de peixe, lamens, udons, sushis, sashimis e outros práticos das culinárias japonesa, coreana, chinesa, tailandesa e vietnamita. Quer mais? Também está incluso o buffet de doces, e neste, frozen yogurt a vontade.

Minhas sugestões: Sashimi, saladas, o frango com gengibre, o Shimeji, o Bulgogi e o Salmão grelhado no palito.

Foto: Divulgação / Tanka
Foto: Divulgação / Tanka

O Tanka é relativamente novo, mas já me convenceu: se eu tivesse que escolher um restaurante para comer durante horas sem engordar, seria este. Fica em frente ao metrô Liberdade, embaixo do Hotel Akasaka.

Informações:
Praça da Liberdade, 149, 1º andar, Liberdade.
Site: http://www.tankarestaurante.com.br/

.

Espaço Kazu

Avaliação: sushisushisushi

Outro restaurante para comer bem, muito bem senhor, e tem como diferencial o fato de que alguns pratos, como os Teishoku, acompanham um buffet de saladas delicioso e bem servido. É o melhor Kimchi (acelga apimentada, um prato coreano) da região. Os preços são um pouco mais salgados. do que a média. Pudera, este é um restaurante asiático bastante moderno e atrai muitos turistas. Ele fica na Rua Tomas Gonzaga, que é um dos “polos” de restaurantes japoneses de São Paulo.

Informações:
Rua Tomás Gonzaga, 84/90, Liberdade
Site: http://www.espacokazu.com.br/brasil

 

Lamen Kazu

Avaliação: sushisushisushi

O melhor Lamen de São Paulo. Concorridíssimo. As vezes a fila pode superar 1h facilmente. Você escolhe o seu Lamen de acordo com a sopa, que pode ser Shoyu, Misso ou Sal. Por ser tão concorrido, o esquema é assim: entrou, sentou, comeu, levantou. Não fique mais um minuto a mais para não ser expulso. Isso não atrapalha em nada! Pode ir! Eu preciso ir novamente para relembrar o sabor.

Informações:
Rua Tomás Gonzaga, 51, Liberdade.
Site: http://lamenkazu.com.br/

.

 

Outros bons restaurantes:

.

Nandemoya sushisushi:

Um excelente rodízio. Também meio escondido. Gosto muito do Hossomaki com molho de maracujá.
Rua Américo de Campos, 9, Liberdade
Não tem site
Fone: 3208-8604.

.

Itiriki sushi

Restaurante por quilo, serve Sashimi separado, serve o melhor orange chicken da região.
Praça da Liberdade, 159, Liberdade
Não tem site
Fone: 3399-6132
.

Cia Oriental sushisushi

Excelente rodízio, mas a minha sugestão é: Dolsot Bibimpá, ou especialmente, o Roe Duep Pá. São pratos coreanos. O último é um domburi de arroz acompanhado de molho de pimenta e um set de peixes crus picados. Misture tudo e tenha um orgasmo gustativo.

Rua Galvão Bueno, 40, Liberdade. Fica no último andar do Plaza Shopping. No penúltimo andar é o buffet. http://www.ciaoriental.com.br/

.

Restaurante Satori sushi

Comida japonesa macrobiótica. Só aceita dinheiro. Surpreenda-se. É uma delícia. Também não é fácil de achar. Praça Carlos Gomes, 60, Liberdade.

 

Outros bons restaurantes:

Asia House: Comida por quilo, tem pratos quentes e frios. Bons Sashimis e Temakis, são pedidos por fora. Rua da Glória, 86, Liberdade.
http://www.asiahouse.com.br/site/index.php

 

Nishi Sushi: Comida por quilo e a la carte. Bons sashimis, bons sushis, pratos quentes e frios, tem ceviche as vezes. Infelizmente, aumentou muito o preço do quilo. Antes era imbatível neste quesito. Av. da Liberdade, 98, Liberdade.

 

Kareya: Já foi um dos meus favoritos, mas com a chegada do Tanka, ficou complicado competir. Tem buffet e pratos a la carte, com destaque para os bibimpás (coreanos). Ainda se destaca bastante nas saladas e nos hossomakis diferenciados, como os de ovas e o de atum com maracujá e cream cheese. Ótimo Temaki. Praça da Liberdade, 258, Liberdade.
http://www.kareyasushi.com.br/

Suzuran – Bom rodízio japonês na Rua da Glória. Também oferece pratos à la carte. Rua da Glória, 234, Liberdade.

.

Restaurantes que ainda não visitei e outros que a memória não é boa o suficiente para lembrar detalhes do gosto

Sushi Isao – Um dos mais famoso, buffet de pratos frios, inclusive frutos do mar. Ainda não fui, mas está na minha lista. Motivo: o preço é superior a R$ 70,00 e eu sou alérgico a crustáceos marinhos.

Sushi Yassu – preciso voltar. Não lembro detalhes.

Bueno – Ainda não conheço.

Aska – Ainda não conheço.

Izakaya Issa – Ainda não conheço.

Kabura – Não conheço.

Gendai – Preciso relembrar

Yamaga – Não conheço.

Banri – Não conheço.

Churrascaria Galvão Bueno – Japonesa, Chinesa e Coreana. Serve Bulgogi. Preciso relembrar.

Champion – Preciso relembrar.

Yamamoto – Não conheço.

Portal da Coreia – Não conheço.

Chi Fu – Preciso relembrar.

Pastel Yoka – Ainda não fui.

Wok n’Roll – Ainda não fui. Restaurante recente.

Jiyuu – Ainda não fui.

Tenko – Ainda não fui

Sukiyaki House – Preciso relembrar

 

Relatos interessantes de outros viajantes:

360 Meridianos:

http://www.360meridianos.com/2012/12/onde-comer-no-bairro-liberdade-sp.html

 

Matraqueando:

http://www.matraqueando.com.br/onde-comer-no-bairro-da-liberdade-sao-paulo

 

Dicas da Clá:

http://dicasdacla.com/2012/10/07/liberdade-onde-comer/

 

Thiago Sakamoto:

http://oglobo.globo.com/estilo/boa-viagem/um-roteiro-gastronomico-pela-liberdade-por-thiago-sakamoto-um-chef-emergente-em-sao-paulo-2814490

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.