Morando fora -Primeiras impressões de Genebra

Faz só sete dias que eu estou em Genebra, mas como eu sou um notador e anotador nato eu não posso deixar de escrever as primeiras coisas que me saltam aos olhos. O estilo de vida de Genebra não é tão diferente do dos brasileiros, mas é lógico que a oferta de qualidade de vida faz muita diferença.

Morando fora – Primeiras impressões de Genebra.

P1000451

Okay, 14º dia na cidade. Ainda estamos oficialmente no verão, mas de fato já começou o outono. O sol já não aparece há três dias e uma chuva fina e por vezes persistente teima em aparecer as manhãs e meio das tardes. As nuvens são mais constantes que imposto em dia de pagamento.

Aqui em Genebra algumas coisas são notáveis aos olhos, mas a maioria nem tanto. A cultura não é tão diferente da Brasileira quando a gente está passando pela rua e não conhece ninguém. Mas se você se aprofundar um pouco mais vai notar algumas coisas.

1 – Em Genebra só se atravessa na faixa e com sinal verde para pedestre.

Beatles-Abbey-Road-Gif

Isso é algo que não é tão incomum assim quanto parece, mas para nós brasileiros que vivemos todos os dias  no melhor estilo bumba-meu-boi (“vai do jeito que vai e vamo que vamo”), atravessar na faixa e no sinal verde é raridade. Mas lógico que isso tem explicação – é o ditado – camarão que dorme a onda leva – O Brasil é mais perigoso e se você ficar com cara de tacho as 22h no centro de São Paulo esperando para atravessar, talvez seja você que seja atravessado.

2 – Piqueniques e encontros são bem comuns.

É algo muito interessante daqui de Genebra que as pessoas saiam do trabalho, ou mesmo no intervalo, e sentem na beira do lago, em cadeiras ou na grama e façam um piquenique, com toalhas, frutas, lanche e o escambau. Mas muito em razão disso é a oferta de infraestrutura e natureza, que é sem igual se comparada com muitos lugares do mundo. Apesar de ser uma cidade caríssima, não foi tomada por empreiteiras e existe muito verde aqui, e então, muita opção de parque. Então é normal comprar um lanche e uma bebida (por vezes alcoólica) e relaxar na grama.

3 – Cada um leva a sua bebida.

anigif_enhanced-buzz-2576-1390507194-4

Ok, já falei do piquenique e o que eu vou falar também se aplica a festas e encontro de amigos também. Regra básica. Cada um leva a sua bebida, mas fica livre para compartilhar com os outros. No Brasil isso é parcialmente comum – as vezes você leva um pack de cerveja, as vezes você paga antes pra quem convidou, ou simplesmente a pessoa te convida pra tomar a bebida dela. Aqui em Genebra não – nas festas em geral já tem algum snack ou comida e você leva a sua bebida. E é comum os genevois andarem por aí com garrafas de vinho. Ah, e eles curtem tomar cerveja ou vinho quente.

4 – Pessoas na rua às 23h.

Com exceção de points de curtição, bares, ruas famosas como a rua Augusta, dificilmente o Brasileiro vai sair com a patroa ou patrão e as crianças e ficar as 23h perambulando pelo centro da cidade. E aqui em Genebra, também por ser muito mais segura, eu fiquei surpreso de encontrar tanta gente na rua à essa hora. Eu com meu estilo paulistano não posso deixar de olhar para os quatro cantos já quando são 17h, então ainda estou me acostumando né rs.

5 – Se as pessoas percebem que você precisa de ajuda poucos vão aparecer para te ajudar.

98404-luggage-escalator-fall-fail-gi-10zx

Em outras palavras – quer ajuda? Pede! Já aconteceu algumas vezes e outras histórias eu ouvi – se alguém de Genebra te vê em apuros e com cara de cachorro molhado, não necessariamente ele vai te ajudar. Eu tive problemas com as malas pra chegar e eu cai na escada rolante e ela foi me levando. Muita gente me olhando, só faltava tirar uma selfie – ajudar que é bom, nada! No nosso Brasilzão querido, a solidariedade é muito maior – as pessoas querem te ajudar mesmo sem te conhecer – o que é uma contradição para um país que tem problemas de violência. Mas sim, é algo que eu sinto falta.

6 – Mas as pessoas vão te tratar com cordialidade.

Essa é a melhor definição de um Genevois – cordial. Ele não vai falar nem mais nem menos do que ele precisa, e nem sair tanto da zona de conforto se ele não for provocado. Mas ele também não vai ficar calado. Eles são extremamente educados, e mesmo quando você fala outra língua, eles te tratam bem.

7 – “Você  deveria falar francês aqui”

speaking-french

Uma das coisas mais sinceras que um genevois vai te dizer, e ele não vai usar palavras para isso, é que você deveria falar francês com ele. Sério. É uma cidade internacional e todo Suíço fala muito bem inglês e as vezes alemão também. Mas eles acham, e tem razão, de que nós devemos saber falar o francês. Eles vão te dizer isso com os olhos ou com uma pausa brusca – dificilmente vão te dizer diretamente. E eles esperam do fundo do coração que você compreende.

Cidadão: “Bonjour”
Você: “Oh Hello”
Pausa brusca, olhar penetrante, um segundo depois
“Good day…”

Pois é meu amigo, isso é algo perceptível nas entrelinhas. Eu que não sou fluente já percebi que preciso melhorar. Mas como eu disse, eles são extremamente cordiais, então ninguém vai te tratar mal se você não souber – mas eles também não te dão tratamento especial.

 

2 thoughts on “Morando fora -Primeiras impressões de Genebra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.