Queenstown, a Capital Mundial dos Esportes Radicais, Parte II

No meu artigo anterior, falei só de Bungy Jump; neste, vou falar de diversas outras opções de atividades radicais em Queenstown, e dar algumas dicas para quem quer tirar o máximo proveito das opções de alta adrenalina nessa maravilhosa cidade.

A capital mundial dos esportes radicais, Parte II

Essa é a segunda parte do meu texto sobre esportes radicais em Queenstown. Se você chegou aqui, talvez tenha lido a Parte I, na qual falei sobre as opções de Bungy Jump, ou meus textos anteriores, nos quais falei sobre “Por que a Nova Zelândia?” e “O que fazer em Quenstown (inclusive à noite)”.

Como eu já disse antes, Queenstown é considerada a capital mundial dos esportes radicais, e realmente merece esse título. A natureza exuberante que salta aos olhos na Nova Zelândia é especialmente convidativa ao redor de Queenstown, criando um ambiente perfeito para qualquer tipo de atividade ao ar livre. O clima também contribui, com estações bem definidas e ao mesmo tempo amenas – no verão faz sol suficiente para que você nade no Lago Wakatipu, e no inverno faz um frio gostoso, com pouquíssima neve nas altitudes mais baixas e bastante neve no alto das montanhas.

menor WP_20140604_016

Obviamente, eles exploram ao máximo esse potencial aventureiro da cidade. Há diversas agências espalhadas pelas poucas ruas do downtown (centro). Algumas são especializadas em algum tipo de atividade, outras fazem contatos e pacotes com diversas companhias de diferentes atividades. Eu comprei a maioria dos meus pacotes pela Happy Travels (http://happytravels.co.nz/), recomendo que você dê uma pesquisada antes de ir (principalmente no Bookme, vou falar um pouco dele no final do artigo), ou no mínimo antes pelas ruas da cidade consultando os melhores preços em cada agência. Os preços, de qualquer forma, são um pouco salgados:

menor WP_20140526_004
DETALHE IMPORTANTE: estes valores são de quando estive lá, em Junho/2014. Consulte os valores atualizados!

Agora, dando continuidade às atividades propriamente ditas, vamos por partes (vou listar as atividades que considero principais).

No ar:

Bungy Jumping

Veja meu artigo anterior, no qual falo apenas disso!

Skydiving (paraquedas)

É possível saltar em Queenstown mesmo (há uma dropzone a 20 minutos de downtown), ou em duas outras regiões próximas, Paradise e Wanaka (que ficam a pouco mais de uma hora de carro), cada uma com suas respectivas companhias. A diferença é basicamente a beleza dos lugares. Na Nova Zelândia, quase qualquer paisagem é bela e exuberante, então qualquer uma das duas opções vai ser ótima. Se eu pudesse, teria feito um salto em cada uma (pelo menos), mas optei por saltar em Wanaka. Em qualquer uma das três você pode escolher entre três alturas de salto: 9, 12 ou 15 mil pés – a diferença é basicamente o tempo de queda livre antes de abrir o paraquedas: 30, 45 e 60 segundos. Para quem é iniciante, é obrigatório saltar com instrutor (modalidade Tandem – duas pessoas no mesmo paraquedas).

2b88401a313abef1391ba09ac8522a29
Fonte: Site da NZone / Detalhe: é possível reconhecer no centro da foto as duas penínsulas que formam Queenstown

menor WP_20140619_002

Paragliding (parapente)

Muita gente confunde os nomes e o que exatamente constitui as atividades do paraquedas, parapente e asa-delta. O parapente, no caso, é parecido com paraquedas, pois a estrutura que te mantém no ar é flexível, mas há duas diferenças essenciais: primeiro, você não salta de uma avião, e sim de um lugar alto, como uma montanha; e segundo, enquanto o paraquedas serve basicamente pra descer devagar até o solo, o parapente permite um voo dinâmico, com um controle muito maior do piloto. Em condições favoráveis, um piloto de parapente pode se manter planando por horas, e aterrissar em locais horizontalmente bem distantes do local de decolagem. Em Queenstown, você estará perto (cerca de 20 min. De carro) do Coronet Peak, o mais alto local para decolagens de parapente e asa-delta na Nova Zelândia. Geralmente o que as companhias fazem é te pegar de carro no centro da cidade, te levar até lá e te devolver no mesmo lugar, só que sem usar o carro na volta, se é que vocês me entendem. Os voos duram cerca de 20 minutos e assim como no paraquedas são na modalidade Tandem.

fonte nzgforce

Hang Gliding (asa-delta)

Asa-delta e parapente são primos bem próximos; os locais de decolagem geralmente são os mesmos para ambos e as companhias que oferecem um deles geralmente oferecem o outro também. Quase tudo que eu disse sobre o parapente vale para a asa-delta, inclusive a possibilidade de ficar horas no ar (embora o voo que você contrata com instrutor dure apenas cerca de 20 min). A principal diferença é estrutura que te faz planar: em vez de ser flexível, é uma vela de tecido em formato triangular, esticada por tubos de alumínio. E no caso de Queenstown, há mais uma diferença: você não precisa necessariamente saltar do alto de uma montanha, pois há a possibilidade de ser rebocado a partir do chão por um ultraleve até atingir a altura adequada para planar com as correntes de ar.

paragliding-or-hang-gliding

Na água:

Jetboat (barco a jato)

Esse aqui é quase uma exclusividade da Nova Zelândia, pois foi desenvolvido especialmente par ser usado nos rios rasos e caudalosos da terra dos Kiwis, nos quais os tradicionais motores a hélice eram praticamente inúteis. Dessa forma, o Jetboat é um barco movido por um jato de água, que é sugada abaixo do barco e expelida na popa. Sendo rápidos e altamente manobráveis, os Jetboats passaram a ser explorados como atração turística radical. Em Queenstown é possível fazer passeios de Jetboat tanto no Lago Wakatipo quanto no Rio Shotover, mas há apenas uma companhia autorizada a fazer o passeio no rio, que é a ShotoverJet – e acreditem: vale muito mais a pena fazer o passeio no rio, que serpenteia entre as rochas de um maravilhoso canyon.

menor WP_20140608_009c

menor WP_20140608_009a

Rafting

A prática no rafting consiste em descer corredeiras em um bote inflável, fazendo manobras com os remos (sempre que penso em rafting, lembro do filme O Rio Selvagem, com a Maryl Streep e o Kevin Bacon – recomendo!). Em Queenstown é possível fazer rafting no Rio Kawarau (mais tranquilo, indicado para iniciantes) e no Rio Shotover (mais excitante, com mais corredeiras). Diversas companhias operam nos dois rios, então o melhor é escolher por pacote (há desde passeios curtos de meio dia até passeios de cinco dias que incluem acampamento e voo de helicóptero).

838F9517-D387-A5A1-94BB56064856296B

Na terra:

Quadbiking (quadriciclo)

Não gosta de altura? Morre de medo de se afogar? Ok, ainda tem uma opção radical pra você. Há empresas que oferecem passeios de quadriciclo esportivo por diferentes trilhas em meio à natureza exuberante da região. É indicado para qualquer idade e não precisa ter experiência, a maioria dos modelos disponível é automática, e as opções de potência vão desde as mais baixas (50cc) até poderosos modelos superesportivos (400cc).

httpwww.everythingqueenstown.comquad-biking-nomad-safaris-140

mraristotle

E o que mais? Você pensou que a próxima seção ía ser  No fogo, né? Bom, eles não inventaram (ainda) um esporte radical que envolva fogo.

Mas tem a neve!

Esqui e Snowboard

Queenstown atrai milhares de pessoas todo ano no inverno para aproveitar a estação de esportes no gelo. Como já mencionei em outros artigos, a cidade é cercada de montanhas com picos nevados e há muitas estações de esqui disponíveis (no meu caso, fui ao Coronet Peak). No entanto, diferentemente dos outros esportes que mencionei, para praticar tanto esqui quanto snowboard é necessário um pouco de técnica. Existem pistas super fáceis para os absolutamente iniciantes (como era o meu caso), mas ainda assim é recomendável fazer uma aula para aprender pelo menos os conceitos básicos (há professores disponíveis nas estações). É bom lembrar também que é necessário levar ou alugar esqui ou prancha e é altamente recomendável usar roupas quentes e impermeáveis (de preferências próprias para esporte no gelo), capacete e óculos. Tudo isso está disponível na cidade; não vale a pena comprar se você só estiver de passagem, pois é tudo bem caro, mas o aluguel é acessível.

menor WP_20140610_010

menor WP_20140610_004

Dicas finais, para economizar:

Por fim, vale uma menção honrosa também para algumas atividades que não expliquei: rapel, ziptrek (tirolesa), canoeing (canoagem), cyclim (ciclismo), trekking (trilha), todas disponíveis nas agências pela cidade.

Para todas as opções, as empresas oferecem transporte de ída e volta entre o local da atividade e o centro da cidade, geralmente já incluído no preço da atividade.

E finalmente, se você tem tempo disponível (uma semana inteira em Queenstown, por exemplo), vale a pena acompanhar o Bookme enquanto você estiver lá:

http://www.bookme.co.nz/bookings/queenstown/home

Trata-se de um site que concentra informações e faz agendamentos para todas essas atividades que eu mencionei e algumas mais, com uma grande vantagem: algumas vezes eles disponibilizam a opção de agendar uma atividade com um bom desconto, se você tiver um horário específico disponível.

Pra ilustrar, eu fiz uma pesquisa hoje sobre os preços do salto do Ledge Bungy (aquele que você pode correr antes de saltar). Vejam que o preço normal é de $195,00 dólares por adulto, mas nos dias 18 a 21 de outubro, no horário das 11h da manhã, você pode agendar por $136,00 dólares, ou seja, com $59,00 dólares de desconto (o que é bem relevante). Essas promoções geralmente aparecem poucos dias antes, então é bom ir acompanhando peo site.

bookme
Pesquisa feita no Bookme em 14/10/2015. Palavra-chave: Ledge Bungy

São essas as dicas que eu tinha pra vocês hoje. O texto ficou comprido, mas bem informativo. Espero que tenham gostado e, se forem para Queenstown, voltem aqui para comentar como foi a experiência.

See ya folks later!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.