Na internet a vida é perfeita e as viagens são maravilhosas.

“O sol se levantou e iluminou a janela com o feixe cor de laranja. Descemos, e o melhor café da manhã do mundo nos esperava, regado a quitutes artesanais feitos especialmente para nós e ao som de uma sinfonia francesa. Quando o dia já alcançava a metade vislumbramos a belíssima torre eiffel, o ferro incrustando o céu azulado. De lá, uma linda e única visão de Paris.”

Legal né? A narrativa acima só não falou que os quitutes artesanais eram pão da padaria e queijo de supermercado, o casal ficou 3h30 na fila para entrar na torre eiffel e um deles se cagou no metrô de Paris na hora de voltar pra casa.

Na internet a vida é perfeita e as viagens são maravilhosas.

line eiffel

A história que eu contei acima não é de todo inverídica. Só a parte do “se cagar”, que eu coloquei de propósito já para derrubar muita gente cheia de escrúpulos e nos fazer voltar à nossa dura realidade: nós somos grandes amontoados de carbono e a vida não é tão “fashion” assim. Em outras palavras, merda acontece, acontece muito, mas a gente tenta esconder, e na internet, a gente ainda quer pintar de ouro. Eu pelo menos cansei de tentar ser assim. Quero passar autenticidade aos meus textos e muita gente já me chamou inclusive de pessimista.

Não se engane – existem muitos perrengues piores do que se cagar. E se você se surpreender com o meu palavreado talvez esteja na hora de repensar tudo! A grande maioria dos perrengues a gente lembra rindo mas existem alguns que são trágicos. Eu pelo menos sempre tive a sorte de só ter os engraçados. Já aconteceu de eu ficar em uma cidade em que chovia tanto que eles fecharam todos os transportes públicos e eu fui andando embaixo de uma chuva torrencial até a cidade mais próxima. Já se machucar em trilha e sofrer queimaduras de segundo grau é mais constante. Em todas as minhas viagens eu fui um nabo e voltei uma cenoura.

Mas o que quero falar é um desabafo, dessa luta constante por querer aparecer feliz e fazer a vida se tornar mais interessante do que é. Na verdade a vida é bem interessante mas as coisas acontecem de forma espaçada e inesperada, e quase nunca é na frequência que as pessoas querem. A vida é uma grande foto do instagram e todo mundo quer por um filtro bonito e na verdade não é muito assim.

Eu sou um escritor de viagens e muitas das coisas que eu mais vejo em outros blogs e especialmente em revistas é o fato de que o destino tal é maravilhoso. Eu confesso que gosto de carregar nos elogios, por que quando eu gosto, eu gosto, mas que tal falar também do processo ou dos perrengues de uma forma mais natural? As vezes a gente acaba passando uma impressão glamurizada de alguns lugares que não condiz tanto com a verdade. Eu gosto de lembrar muitas das viagens que eu fiz mais pelo caminho do que pelo fim.

DSC01525
No Japão eu quis fazer uma grande imersão cultural e isso envolveu dormir em um hotel capsula. Só pela minha cara vocês já imaginam como foi. Foi uma merda e eu não tenho motivos para falar de outra forma. Desconfortável e barulhento, definitivamente não volto. Mas hoje eu olho para trás e rio!

Ah, os destinos. As vezes não é nada daquilo, mas a gente não quer parecer ficar na pior e acaba enfeitando demais. Para mim, Paris é um destes lugares. Paris não é nada daquilo que falam, mas não deixa de ser um lugar fantástico por si só – a história, os monumentos, a cultura e a comida. Mas muita gente coloca uma atmosfera de glamour e quando chega lá se dá conta de que é um lugar normal, e você ainda corre o risco de ter a sua carteira ou bolsa furtada. Tem muitos lugares cheirando a urina. Você come bem e visita lugares muito belos e cheios de histórias, mas se prepare para pegar filas enormes, e se você for sozinho vai ter que aguentar até usar o banheiro kkkk.

Por isso eu recomendo que você leia duas vezes muitas das coisas que se escrevem na internet, e muitas das fotos que as pessoas colocam também.

Essa ideia de querer passar felicidade e uma vida perfeita é uma prisão, por que você acaba se comprometendo com aquilo e se perde do seu verdadeiro eu. É claro que o grande público colabora por que se as pessoas veem alguém mal não largam mão de criticar. Eu por exemplo as vezes tenho dó das pessoas que são celebridades profissionais, por que isso para mim é uma prisão. Você se acostuma com um estilo de vida que não é muito sustentável se você quiser fazer outras coisas. E muita gente se vicia em likes, como se fossem um indicativo de felicidade ou sucesso. Com isso se você aparece um pouco fora do peso, sem maquiagem, ou com uma roupa puída, você é extremamente criticado, e pode ficar depressivo.

Da mesma forma isso acaba te deixando um pouco superficial, por que se você só está acostumado a compartilhar as etapas boas, os sentimentos tristes que todo mundo tem podem acabar te consumindo. Eu por acaso estava vendo as fotos do Robin Williams, que foi um grande ator. E ele se suicidou. Se você reparar no instagram dele, ele já não parecia bem nos últimos anos, mas queria muito parecer. Dê uma olhada:

https://instagram.com/therobinwilliams/

 

Comenta aí que é nóis!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.