Jogando tudo para o alto – Três meses depois, em Genebra

Olar pessoal. Este é um blog que eu criei para falar das minhas dicas de viagem e especialmente da grande e maior aventura da minha vida. Eu joguei tudo para o alto. Toquei o foda-se para o comodismo. Larguei o melhor emprego que eu tive e resolvi vir para a Suíça estudar, mesmo sem ter a grana suficiente para cobrir os gastos. O que aconteceu nestes três meses você acompanha aqui.

Jogando tudo para o alto

Três meses depois, em Genebra

DSC_0003_4

Quem segue o blog faz um tempo já sabe do meu desafio. Quem não sabe é só clicar na guia “Deixando o Brasil – Minha Saga”. Em resumo, de repente eu vi que o tempo passou rápido e eu já tenho 30 anos. Que apesar de estar em um emprego excelente para mim e que coroou uma vida de muito esforço, eu não me sentia satisfeito.

Eu vi a vida de um ente querido, cheio de sonhos e planos, se esvair em minhas mãos. Eu não pude fazer nada. Depois de algum tempo entrei em depressão e pensei que a vida talvez não tivesse sentido. Plantado em pensamentos negativos, eu senti que isso um dia poderia me matar. Resolvi reagir: desafiar esse pensamento e desafiar a mim mesmo.

Qual é um dos seus maiores sonhos? Você já se perguntou? Eu me perguntei isso diversas vezes. E você já começou a seguir? Eu estou tentando agora. Por que profissionalmente eu estava indo muito bem. Mas chegou uma hora em que eu pensei que talvez fosse muito cedo para me acomodar.

Um dos meus maiores sonhos é conhecer o mundo todo e morar fora, nem que seja por alguns poucos anos ou para sempre. Pode parecer um sonho bobo mas eu gosto de conhecer novas culturas e aprender novas línguas. Outro sonho que pode parecer bobo é de querer mudar o mundo para melhor, nem que seja apenas uma gota no Oceano.

IMG_20151114_190859

Eu era um funcionário público estável e tinha uma qualidade de vida razoável. Mas eu queria estudar fora e me aperfeiçoar. Apliquei para um Mestrado em Genebra na Área de Direito Internacional e para minha surpresa parcial, eu fui aceito. Eu resolvi ir! A outra surpresa que eu tive foi a de que negaram a minha bolsa de estudos (eu realmente precisava). E hoje acredito que tem relação com a minha idade.

Mesmo com o salário que recebia eu não tinha condições de me sustentar em Genebra e nem de juntar a grana necessária para morar aqui durante os dois anos de curso. A minha vida foi permeada de ‘merda acontece’ e de alguma dificuldade aqui, outra acolá, alguns obstáculos e falhas de planejamento, e eu não pude juntar dinheiro durante quase 28 anos. Não tinha casa e nem carro pra vender. Meus parentes já tinham me ajudado como puderam. Qualquer pessoa ‘sensata’ não iria. Esperaria mais uns três anos.

Eu não. Eu me dei conta que a vida é curta e a saúde não fica para sempre. Resolvi vir assim mesmo. 

foto: Lake placid

Fiz uma vaquinha virtual para complementar o dinheiro que eu consegui juntar e dava para ficar quase um ano em Genebra. Mas aí os primeiros problemas apareceram – o Real caiu muito e eu tive gastos que não contava nesse meio tempo. Não consegui uma moradia barata em Genebra e eu tive que ficar em um lugar confortável, mas caro, muito caro, para mim. Isso fez com que, quando eu cheguei, eu basicamente só tinha dinheiro para ficar seis meses na Suíça.

Em 1º de Setembro eu pisei em Genebra. Conheci muita gente legal e interessante e alguns amigos que eu quero levar para a vida toda. Comecei o curso e o desafio de estudar em um país diferente com uma língua que eu nunca tinha usado para valer – Inglês, em uma cidade com uma língua que eu sou simples iniciante – o Francês. Era como tivesse virado criança novamente.

Os primeiros 45 dias foram interessantes. Mas também cercados de muitas agruras e uma maré de azar.

Eu pensei em parar algumas vezes e que se o meu dinheiro ia acabar em seis meses, ir para qualquer canto do mundo e sumir. Mas a esperança e a confiança falaram mais alto nesse período que foi muito difícil. Eu tive problemas para dormir, ansiedade e as vezes alguns sintomas de depressão. Tive problemas com o meu banco no Brasil e a cada dia que passava o Real caia mais 1%. Nesse período eu perdi mais uma porcentagem do que tinha. Eu perdi o cartão de crédito e o meu acesso a minha conta foi bloqueado. Eu passei uma semana com 12 francos, comendo macarrão, tomate e suco.

DSC_0046

Isso atrapalhou um pouco os meus estudos e as vezes ainda atrapalha um pouco. Eu estava com dificuldade de concentração e comunicação com os colegas e professores e temi pelo meu rendimento escolar. A preocupação não me deixava me focar. Foi complicado mas eu nunca perdi a fé no meu futuro. Nesse período eu ainda tive problemas de um antigo relacionamento – mais um problema para lidar.

Em outubro as coisas começaram a se resolver para melhor.

Em menos de duas semanas, tudo mudou! Consegui um apartamento muito mais barato que me fez economizar quase 40% com moradia. Consegui resolver os problemas com o Banco, o que me fez evitar de gastar dinheiro com viagens desnecessárias. E depois de algum tempo, a minha faculdade me concedeu uma ajuda emergencial que me salvou, pelo menos por este semestre. Fiz alguns bicos pela internet que também me desafogaram. Ganhei uma bolsa para fazer um curso de três dias na Itália, com hospedagem e avião pagos.

Na Faculdade as coisas também começaram a melhorar. Comecei a me sentir mais confiante nas aulas e a falar mais, ser mais ativo, participativo. Fiz o meu primeiro exame em inglês e para minha surpresa tirei uma nota superior a muitos falantes de língua inglesa. Fiz a minha primeira apresentação em inglês em toda a minha vida e o professor e outros alunos falaram que eu fui um dos melhores. A síndrome de vira-lata foi ficando para trás. O semestre não acabou e agora está afunilando para provas e trabalhos, o que é uma das razões de eu não conseguir postar neste blog tanto quanto antes. Tenho uns 12 vídeos e 20 posts acumulados rs.

IMG_20151123_161843

Hoje faz exatamente três meses que eu dei o pontapé inicial dessa minha nova vida e agora eu estou nos 10 minutos iniciais. Muita gente esperava que fosse um Brasil 1 x 7 Alemanha, mas está sendo bem diferente disso. Nesses 90 dias, estou com um saldo positivo de vida e cada vez melhor. Sinto que adicionei um novo sentido na minha vida. Não estou de todo melhor de várias preocupações que eu tinha, mas certamente eu estou melhor do que imaginava há 6 meses atrás.

O que eu posso dizer que valeu muito a pena foi a insistência e a força de vontade. Foi não ter dado ouvido a comentários maldosos e invejosos. Foi especialmente ter acreditado em mim. Nesse meio tempo eu conheci muito de Genebra e de quebra algumas cidades da Itália e da França. Estou cheio de ideias e de coisas para contar. Só falta tempo, mas isso é bom – eu estou me dedicando e estou feliz.

Para o futuro, continua uma grande esperança, e especialmente seguir aquela linha de pensamento inicial – conhecer e mudar o mundo. Agora um pouco mais experiente e com o primeiro degrau subido!

Obrigado e até mais!

5 thoughts on “Jogando tudo para o alto – Três meses depois, em Genebra

  1. Gostei!!! 😀
    Eu to a 7 meses em Portugal.. tem uma parte de mim que está gostando, outra parte de mim que está querendo acabar com isso. Sinto que não sei exatamente o que quero pra minha vida. Enquanto estava no Brasil sonhava com Portugal, agora em Portugal sonho com o Brasil.

  2. Sarliman meu caro… gostei muito do relato.
    Boa sorte ai velho, em breve estarei me aventurando na Suíça também, só esperando um ok do governo suíço rs
    Vlw bro!!!

  3. Muito bom o relato
    Em breve estarei me aventurando na Suíça também meu caro, só esperando uma autorização do governo suíço….
    vlw brooo e boa sorte aeeee

  4. Muito bom o seu post, qnd chegamos nessa idade ficamos na duvida se não é tarde para arriscar, na verdade nunca é tarde, basta ter coragem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.