Neste ano novo, se dê a si mesmo de presente

Esqueça as simpatias, superstições e mandingas. Roupa branca, ervilha, 7 ondinhas, comer peixe. Nada disso vai funcionar se você não se mexer. O ano novo está aí, e o melhor que você tem pra fazer é se dar de presente.

Neste ano novo, se dê à si mesmo de presente.

74992_1062449800452261_4122612056438694251_n

O dia 31 de dezembro parece ser um dia especial, um dia único, fatídico, destinado a nos transformar, a nos transportar de um ano para o outro. Imaginamos momentos mágicos, palavras mágicas, desejos mágicos. O universo vai conspirar com a gente, basta querer. Não, amigo, não basta querer, tem que tentar, tem que fazer.

Sei que parece cativante, interessante, relevante, querer colocar todas as suas esperanças no ano vindouro em apenas um momento. Sei que é convidativo fazer mil planos. E você deve fazer. Mas mais do que fazer, deve tentar cumprir.

Não digo para ficar em casa, depressivo e nem parar de meditar sobre o self. Não digo para jogar fora os desejos e sonhos dos outros e nem diminuir a vontade de mudar. Digo para efetivar. Digo especialmente, se dê à si mesmo de presente.

Parece básico? Parece óbvio? É básico sim. É óbvio sim.. Mas não vou falar somente de você completar os seus planos – vou falar de você prestar atenção neles e em você mesmo.

Nós estamos acostumados a viver pelos outros. Sinto muito isso na alma do Brasileiro e agora que eu estou no exterior, ainda mais. No Brasil, você não pode parecer nem muito rico, nem muito pobre. Nem muito nerd, nem muito desajeitado, nem muito dedicado, nem muito maquiada, nem nada maquiada, nem muito bem vestida/o e nem mendiga/o. No Brasil as pessoas se deixam controlar, querem controlar e tentam controlar muito a vida dos outros.

E nós deixamos.

DSC01812

Esse é o problema: nós deixamos. Sabotagem, sacanagem, nós nos podamos.

Quando eu era adolescente me criticavam por que eu parecia ser nerd. E eu me importava. Me criticavam pela roupa que eu vestia, com quem eu andava, o que eu fazia e o que eu não fazia. E ninguém se colocava na minha pele. O problema era deles? Era, mas era mais meu. Eu deixava. Ano vai, ano vem, eu me preocupei tanto em agradar a todos que eu me tornei uma tela marrom.

Sabe por que? Já tentou misturar todas as cores da aquarela ou todas as cores de tintas? Não vai ficar branco. Vai ficar preto, cinza, marrom. Cor de burro quando foge. Quando você deixa todo mundo te influenciar é como se você estivesse usando todas as tintas de todas as cores para pintar o seu quadro. Só que não vai sair nada. Nem pintura, nem desenho, nem ideias. Somente um borrão, de todas as cores, por que você não pôs a sua.

Ano vai, ano vem, eu só me dava conta de algumas coisas no ano novo. Talvez um dos poucos momentos em que eu realmente conversava comigo, não como um ser auto-indulgente, mas como um pai, uma mãe, um amigo. O que eu estou fazendo da minha vida? Tomava resoluções de ano novo e fazia mil desejos. Este ano dobrarei o meu salário e morarei sozinho. Eu me disse isso durante três anos. Não era ingênuo o suficiente para acreditar que só desejar bastava. Mas eu também não tentava muito – eu não era meu. O meu eu não era meu, simplesmente por que eu não sabia me alcançar.

Existem 7 bilhões de pessoas na terra. Não dá pra agradar todo mundo. Mesmo assim tem gente que tenta. Tem gente que tento. E tem gente que pauta toda a sua  vida em querer agradar os outros. E acaba esquecendo dos seus próprios planos. Existem 7 bilhões de pessoas na terra, mas 100 trilhões de conexões de Neurônios. Você só tem em média 70 anos de vida, sendo que saúde e disposição e liberdade você tem durante apenas uns 30.

E nesse meio tempo você vai gastar 8 horas dormindo e talvez umas 8 horas trabalhando. Quase dois terços do que você tem.

 clock2

Parece que nós temos muito tempo. Sim, nós temos, mas uma boa parte já está comprometido. E o que você tem, ainda vai perder tentando agradar todo mundo?

Que tal se dar um presente diferente neste ano? Afinal, se você reparar, a maior parte é individualista. Não digo para ser egoísta, e sim ajudar os outros por que gosta e por que quer. E não somente por querer agradar. Carência não faz bem.

O seu presente pode ser você. As resoluções de ano novo sempre passam por projetos, mas nós esquecemos do principal projeto, talvez o motivo de nós nascermos, cuidar de nós e evoluir.

Feliz ano novo!

5 thoughts on “Neste ano novo, se dê a si mesmo de presente

  1. Seu post me fez pensar no tanto que estou deixando de lado, no tanto que desisti por causa dos outros. E como é difícil me libertar desse controle, dessa intromissão. E nem falo de agradar ninguém, falo de permitir viver uma relação de dependência que está atrasando minha vida, atravancando a realização dos meus sonhos.

    Já vivi no exterior também e pretendo fazer isso novamente, mesmo com todas as dificuldade que enfrentei, foi uma experiência enriquecedora e que quero repetir. Obrigada pelo post 🙂

    1. Oi Daniela! Eu sei um pouco como se sente por que já vivi uma relação de dependência e depois que eu me forcei a sair eu fiquei mal. Mas depois eu pensei – o que me impede de ser feliz? Não existia nada físico, apenas eu mesmo! Eu reparei que eu não me dava a devida atenção. Fico feliz por ter te ajudado!

  2. Moço, adorei o que você escreveu e me fez perceber que ter marcado a passagem para Franca para Março foi a melhor coisa que ele fiz a mim mesma e a melhore resolução para 2016… Sim, nao precisa ser rico para viajar… valeuuuu adorei esbarrar no seu blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.