Adaptação ao exterior – O Inverno Europeu

Chegou a primavera aqui no hemisfério norte! As flores começam a desabrochar, as abelhas a zumbir e os genebrinos a sair de suas tocas. Mas demorou, e demorou muito, para acabar este longo e não tão tenebroso inverno, o primeiro da minha experiência no velho mundo. Nesse post eu conto um pouco mais da adaptação ao exterior, e especialmente a vivência em um país gelado como a Suíça.

Adaptação ao exterior – O Inverno Europeu

_DSC6133menor

Como todo Brasileiro eu estava efetivamente curioso para saber como era o inverno Europeu e se eu realmente estava preparado para enfrentar esse frio todo que dizem que acontece aqui. Inclusive, quando eu falava que iria morar na Suíça (hoje estou em Genebra), muita gente me desaconselhava, dizendo que é um país muito frio e que eu não ia me adaptar.

Hoje, alguns dias depois de acabar o inverno, eu posso dizer que tive uma adaptação sofrida, mas foi uma adaptação. Tive uma grande lição e eu conto mais no último capítulo. Não que o frio não seja suportável, dá para passar tranquilamente (ao menos aqui na Europa Central, não posso falar como é na Rússia, Países Nórdicos ou Grã-Bretanha), mas ele é sim, traiçoeiro. Traiçoeiro no sentido de que um mínimo descuido pode resultar em doenças respiratórias, especialmente para quem não está acostumado com temperaturas abaixo de zero.

Quando o inverno chega e quando vai embora?

DSC00114menor

Aqui na Suíça, especialmente nas zonas mais baixas, como Genebra, o clima já começa a ficar frio no meio de outubro, muito embora o inverno só comece em fins de dezembro. Frio para padrões brasileiros, é claro. No meio do outono as temperaturas começam a baixar para 15, 12, 10º e chegam até a 5º. Em novembro e especialmente em Dezembro, é normal que o clima já esteja todos os dias abaixo de 10º C. E nessa época também costuma ficar bastante nublado.

Ao contrário das minhas expectativas, não nevou muitas vezes. Acho que somente em alguns 10 dias, e destes, uns 3 ou 4 tiveram neve forte ou suficiente. Lembro que nevou no fim de novembro e só depois em janeiro e alguns dias em fevereiro. Me disseram que em anos anteriores já teve mais neve do que agora.

O inverno começa a ir embora em meados de março mas o frio é persistente até abril. Temperaturas acima de 20ºC normalmente a partir de maio somente rs.

A neve é legal sim, no começo. Todo mundo fica feliz e sente aquele clima natalino. As crianças e a cachorrada saem para brincar fora de casa, fazer bonecos de neve e jogar bolinhas uns nos outros. Eu também fiquei empolgado com a neve no começo – não que eu nunca tenha visto, mas era a primeira vez que eu morava em um lugar que efetivamente tinha neve. Até fiz um vídeo no meu canal do youtube comemorando a chegada do gelo, hahah. Mal saberia eu que eu ficaria doente.

O que eu descobri nesse inverno é que ele não é tão insuportável em questão de frio. Ou seja, não tem dias que não dá para sair de casa, basta saber se agasalhar bem. Mas o frio pode ser chato, muito chato, daqueles que, efetivamente, faz surgir pouca vontade de sair de casa.

É difícil explicar isso para nós brasileiros, mas quando está ventando, chovendo ou nevando muito, o clima fica mais gelado, mas um gelado chato, nada confortável, daqueles tipos de dias de verão que chove todo dia e você tem que fazer um esforço para trabalhar e sair de casa. Daqueles dias que você já abre a janela e cai uma torrente de água lá fora. Aqui não tem essa torrente de água, mas tem uma chuva fina e desgraçadamente gelada, e abaixo de zero, ela se torna neve, neve que vai cair em você e derreter com o calor do seu corpo e te molhar.

Por isso a questão de saber se vestir bem para o inverno aqui. E tem alguns acessórios que são essenciais, por que eles ajudam a manter o corpo aquecido. Aqui não é frescura usar cachecol, pelo contrário, é um item quase obrigatório no inverno, se você não tiver uma blusa que tenha alguma espécie de pele ou de fibra sintética. Gorro e luvas também, tem dias que não dá para sair sem.

Depressão?

_DSC6096menor

Uma coisa que eu sempre ouvia falarem ou lia pelos blogs afora é que o inverno causa uma certa depressão nas pessoas, e eu posso confirmar que sim, especialmente naqueles dias cinzentos do começo do ano em que praticamente não há raios de sol entre as milhares de nuvem, e o tempo fica feio o dia inteiro. Não por estas razões, mas depois de algum tempo eu tive um episódio de depressão (eu já tive anteriormente), mas certamente colaborou e muito.

Não quero desanimar ninguém com essa ideia de depressão. Ainda vale muito a pena vir morar ou estudar na Europa, faça chuva, faça sol. Só gosto de deixar a real que, realmente, neste clima, as pessoas tem a tendência a ficarem mais tristes. Em compensação, no verão, é praticamente um outro continente, país ou cidade. As pessoas saem alegres pela rua, fazem piquenique no parque, mergulham no lago e nos rios. É isso o que me espera nos próximos meses.

Quando eu subestimei o inverno

_DSC6146menor
Em Ljubljana, onde eu comecei a ficar doente

Bom, posso dizer que as vezes sou meio relapso por natureza. Consigo me organizar com uma velocidade grande e raramente passo por perrengues, mas na minha última viagem, um mochilão pela Europa, pela meu descuido no inverno eu acabei ficando doente e engrenando vários sintomas que me atrapalharam por quase um mês, e alguns deles ainda me perseguem.

Como eu subestimei o inverno? Simples – calçados apropriados. Por questão de economia e pelo fato de não ter nenhuma renda aqui, eu decidi comprar um tênis barato, e só depois eu descobri que ele não é impermeável e nem o ideal para andar na neve ou em terrenos molhados. E como eu praticamente só usei ele em toda a minha viagem, é normal que ele se desgastasse bastante. Com isso, quando chegou lá pelo 5º dia da minha viagem, eu estava em Berlim, onde nevou durante dois dias, e já senti os meus pés se molharem. Eu ignorei isso, e depois continuei bem. Ao invés de comprar calçados decentes, resolvi continuar com os mesmos. Mas no meio de fevereiro veio uma época de chuva e neve que me pegou em algumas das cidades que eu frequentei, em especial, Ljubljana, a capital da eslovênia. Nos dias anteriores eu já tinha tomado bastante chuva e já sentia a garganta doer e o corpo mais fraco.

Mas em Ljubljana eu chutei o pau da barraca. Em um dia nevou muito e no outro o chão estava todo úmido, e mesmo assim eu passei o dia inteiro andando e com o pé molhado, por que o tênis estava desgastado, era fácil entrar água, e eu pisava na neve – não tinha como evitar. Mais do que isso, se eu tinha chance de tomar uma cerva, eu não perdia essa chance. Para piorar, logo depois da Eslovênia, eu parti para a Itália, e sabe qual é um dos meus maiores vícios?? Gelato. Exatamente, eu andava com o pé molhado e ainda tomava sorvete. Chegou nos últimos dias eu praticamente estava sem voz, mas feliz para caramba, cheio de sorvete na pança.

A viagem acabou e eu esperei me recuperar, mas logo na primeira e segunda semana de aulas, o que normalmente acontece? Festas e festas. Enchi a cara em diversos dias. Acumulou que eu peguei uma gripe, uma sinusite e diversos dias de enxaqueca, o que me ajudou a levar a outros sintomas como recaída para depressão (felizmente já estou recuperando)

Tudo por que eu não quis fazer investimento em um sapato decente.

Mas tudo bem, fica de lição para o próximo inverno. Ou talvez, caso eu queira economizar novamente, eis um truque que pode funcionar. Colocar toucas térmicas entre as meias e os calçados. Isso evita que a chuva e especialmente a neve entrem e molhem o seu pé.

Bom, agora que o inverno acabou (mas ainda está um frio de 6, 7º), eu vou tentar me divertir ao máximo aqui em Genebra. Além claro, de arranjar um emprego.

Se você quiser me ajudar a continuar escrevendo as minhas desventuras, você pode fazê-lo ao reservar um hotel por meio do meu site (na guia hospedagem), alugar um carro ou contratar um seguro viagem. Obrigado!

10 thoughts on “Adaptação ao exterior – O Inverno Europeu

  1. Muito bom seu post, André. Estou em Portugal e passei meu primeiro inverno aqui este ano. Olha que aqui o frio nem castiga tanto, mas na cidade onde vivo – mais ao Norte do país – estou desde meados de Novembro debaixo de chuva (inclusive, ainda chove lá fora).
    Para mim a tal da depressão ainda é bastante presente e como trabalho em home office, não ter contato social piora ainda mais a situação. Às vezes brinco que estou quase o Jack Nicholson em O Iluminado.
    Abraço e boa sorte!

    1. Obrigado Helô!
      Tem gente que acha que é frescura aqui, mas só passando por isso para entender como pode ser chato… ainda mais cinco meses debaixo de chuva rs!

      Boa sorte pra ti também

    2. André, nao fale que esse foi um inverno tenebroso!!
      Nem aconteceu o inverno, esse ano!!
      A naturesa, quiz te poupar, por ser o primeiro ano!!
      Mais, virao e voce vai se encantar com a neve, que é muito mágico, do mesmo jeito que é maravilhoso a primavera!!
      Um abraço e seja muito bem vindo.

  2. Quanto à questão do sol, acho que você pode fazer uma gambiarra para tentar emular o amanhecer (tentar pegar uma hora a mais de sol por dia) tanto com espelhos quanto com lâmpadas.

  3. Oi Andre! Minha historia é bem parecida com a sua, me identifiquei muito lendo hehe. Vim morar em Berlim, e foi o primeiro inverno que passei aqui…Nao achava que fosse ficar deprimida, mas é frio e nublado por tanto tempo, que uma hora parece ue o corpo não aguenta mais, e a cabeça dá uma pirada.Tambem passei um mês doente, e até hoje estou me recuperando. Dureza. Mas a primavera vai chegando, e começo a lembrar do porque me mudei pra cá haha. Ja estava num estado de desespero!! Grande abraço e boa sorte com tudo!

  4. Sarliman, preciso muito da sua ajuda !
    Queria te mandar um e-mail explicando a situação e queria muito que vc respondesse rsrsrs
    Quero fazer mestrado…com bolsa!!!! Então preciso muito te perguntar umas coisas e pegar umas dicas, se possível. =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.