Nove coisas que eu aprendi morando no exterior

Comecei a valorizar mais o português; vi o quanto o Brasil é místico; além de quão grande e imenso é o nosso território. Nove coisas que eu aprendi sobre o Brasil morando no exterior.

9 Coisas que eu aprendi sobre o Brasil morando no exterior

 

  • 1. O português é uma língua belíssima:

Depois de ficar dois anos praticamente falando inglês e francês 95% do tempo, comecei a reparar o quanto existem expressões e até o modo de falar em português que não dá para traduzir. Qualquer tradução literal, por mais aproximada que seja, não tem a mesma carga mental ou emocional ou cultural. Um amigo, por exemplo, dizia para a sua mãe que estava com ‘saudadinha’. Em várias ocasiões eu tenho dificuldades para explicar alguns sentimentos, confianças e receios. Sempre gostei da nossa língua, aqui aprendi a dar mais valor.

  • 2. O Brasil é um país muito mais místico do que se imagina

A grande maioria dos brasileiros acredita em alguma coisa ou muitas coisas. Por exemplo, aqui na Europa não se acredita tanto em Horóscopo quanto no Brasil. Inclusive isso é tão forte que muita gente no Brasil vai te julgar por causa do seu pretenso signo.  Sem falar em rituais, terapias holísticas e meditação. Não estou falando se isso é algo ruim ou bom. Mas sim notando que a crença no espiritual é algo que faz muito mais parte do dia-a-dia do brasileiro do que em outros países. Mas é de se notar que já fomos muito mais místicos.

  • 3. Ser brasileiro é mais bom do que ruim no exterior

O que eu vou falar agora é bem subjetivo. Você pode ter outra opinião e outras experiências.

Sim, como brasileiro eu já sofri preconceito mas isso foi uma ou outra oportunidade em milhares de outras. O brasileiro quando vai para o exterior tem fama de ser alegre, festeiro e feliz. As vezes isso é ruim, as vezes isso é bom, mas de certa forma, em geral, isso é bom. O brasileiro também não sofre alguns preconceitos que outros cidadãos de outros países sofrem. Americanos, Japoneses, Franceses, Italianos, Ingleses, todos eles tem as suas pechas e a forma como são tratados.

Mas há de se falar que: eu sou branco e homem. As mulheres e os brasileiros negros, orientais, indígenas sofrem  com preconceitos adicionais.

Aliás é interessante falar que muitas pessoas dizem que eu sou muito branco pra ser brasileiro. Já me chamaram de ‘fake brazilian’ ou brasileiro falso por causa disso. Uma parte da minha família está há pelo menos 200 anos no Brasil rs. Uma outra parte veio do oriente médio pra fugir das guerras há um século atrás.

Um povo que sempre gostou dos brasileiros: os alemães. Alguns dos meus melhores amigos, ou daqueles amigos instantâneos. Os franceses e Suíços não dão muita bola pra gente. Os italianos nos tratam de gente como a gente. Em países da Ásia muita gente abre um sorriso enorme quando falo que sou brasileiro. Mas isso leva a outra conclusão.

  • 4. Sabe-se muito pouco sobre o Brasil lá (aqui) fora

Favelas são as imagens que chegam no exterior

As pessoas sabem, por exemplo, que o Brasil está passando por uma grande crise, e isso já é um avanço enorme. Muitos sabem dizer o nome dos últimos Presidentes e sobre a economia. Mas não sabem qual é a capital do Brasil, por exemplo, nem qual é a maior cidade daqui. Isso é importante? Talvez não seja importante para o dia-a-dia das pessoas. Assim como tem muita gente que não sabe que a capital dos EUA é Washington e não Nova York. Mas de certa forma faz uma diferença por que nós somos o quarto ou quinto maior país do mundo e uma das dez maiores economias, grandes exportadores de grãos, carne, ferro. A falta de informações faz com que as notícias que cheguem do Brasil marquem a nossa pátria como se fosse a única realidade.

E o que chega para o Brasil no exterior é o que vende no exterior: tragédias, crise, morte. E acaba por criar uma imagem que é 10x mais exagerada do que a realidade. Sim, o Brasil está sofrendo com uma epidemia de violência, crise econômica. Você que mora no Brasil pode estar com essa impressão por que a mídia brasileira também é assim, vide cidade-alerta, mas imagine que um estrangeiro pode vir a pensar que você é o assaltante ou sequestrador. Quem vive no Brasil tem a impressão que existe uma classe boa e uma classe ruim de pessoas, quem vive no exterior já teve a impressão de que todas as pessoas são ruins.

  • 5. Os brasileiros acham que morar no exterior é um mar de rosas.

Fale com algum dekassegui que trabalha no chão de fábrica 12 horas por dia e recebe uma merreca, mal tem tempo pra descansar. Quando eu falo que passei por algumas dificuldades aqui na Suíça muita gente veio me julgar. E basta eu falar mal de alguma coisa que alguém vem dizer que eu cuspo no prato que comi. Como se a vida fosse perfeita. Como se o Brasil fosse um inferno e a vida no exterior fosse um céu. Aqui a gente também paga contas e contas bem salgadas, também existem problemas e alguns outros problemas que não existem no Brasil, como ataques terroristas.

  • 6. É Brasil é muito maior do que se imagina

Aqui em Genebra eu posso cruzar a fronteira com a França andando, em apenas meia hora. Aliás, a Suíça toda é menor do que o Espírito Santo. O Brasil é muito, muito, muito grande. E além disso tem muito mais terras habitáveis e aráveis que os Estados Unidos, Rússia, China, por que aqui não tem cadeias montanhosas, não tem placas tectônicas substanciais, não tem desertos, não tem gelo.

Uma coisa interessante a se notar quando se viaja de avião é que pra ir aos Estados Unidos saindo de São Paulo você passa pelo menos 40% do tempo somente sobrevoando o nosso país. Uma viagem de 10 horas você ainda pode estar cruzando o Amazonas lá pela quinta hora. E muita gente, estrangeiros e até brasileiros, acham que o Brasil é só São Paulo ou é só o Rio.

Cada vez que eu encontro um Brasileiro eu vejo o quanto eu não sei sobre o Brasil e quantos lugares eu nunca vou poder visitar simplesmente por que o Brasil é muito, muito grande!

  • 7. O Brasil não dá bola para os seus vizinhos e só tem olhos para os Estados Unidos e Europa

A gente não aprende Espanhol nas escolas, sabe menos sobre a política da Argentina do que a da Alemanha, e achamos que todos os nossos vizinhos são catimbeiros. No Brasil, a ignorância sobre a América Latina é muito grande, nem parece que fazemos parte do mesmo continente. Enquanto a Xuxa fazia dezenas de shows lotados pela Argentina e Chile, nós não somos capazes de citar apenas uma banda de qualquer gênero que venha de qualquer país vizinho, a exceção da Shakira.

Pro Brasil parece que só existe Europa e Estados Unidos.

  • 8. A comida brasileira é excelente, mas ou é muito doce ou muito salgada.

Um pudim de leite condensado pequeno leva uma lata inteira do produto. Sabe quantas calorias? Pelo menos 1.200. E eu posso comer um inteiro.

Sonhos de padaria enormes recheados com uma quantidade abundante de doce de leite. Bolos de chocolate facilmente encontráveis em qualquer esquina. Churrascos regados a sal grosso. O Brasil é um país doce por excelência – as nossas sobremesas são extremamente açucaradas. Eu particularmente adoro, mas chega a um ponto em que fica muuuuito doce. O nosso arroz com feijão leva muito sal e poucos outros temperos. Somos ensinados a colocar açúcar no nosso cafezinho e nosso suco desde cedo.

  • 9. A nossa cultura tem muito mais influências indígenas do que o brasileiro se dá conta

Apesar do genocídio indígena praticado nos séculos posteriores ao descobrimento, a nossa cultura tem muito das influências dos nossos aborígenes. Muita gente nem se dá conta de que vários lugares e cidades são nomes originalmente indígena. Mas a nossa dieta também: milho, mandioca, amendoim, são todos vegetais de origem no continente americano e especialmente Brasil. O nosso feijão também, já era consumido pelos índios antes da chegada dos portugueses.

6 thoughts on “Nove coisas que eu aprendi morando no exterior

  1. Olà.
    Uma das dez maiores economias do mundo? A onde? O Brasil é a 23° economias do mundo para a exportação e a 60° economias do mundo para PIB per capita. Quando o Brasil foi uma das dez maiores economias do mundo, foi apenas para o PIB. E sò isso não quer dizer nada nada… o 60% do povo vive com um salario minimo 300 dólares…

    Dados de 2014. Antes da crise. Hoje, os dados são bem piores.

  2. Olá.. estou em processo de pesquisas… e analisando se saio ou não do país.
    Destino Dublin (tenho uma amiga morando lá)
    Intercambio de inglês.
    Inglês zero.
    Insegurança com o excesso de Brasileiros na cidade. Uma vaga de Clean pelo que lí, parece ser igual concurso no Brasil, 10 vagas, 10 mil inscritos.
    Vontade viver uma nova experiência. Como li em vários blogs, inclusive no seu, uma reviravolta, aquela vontade imensa de sair da zona de conforto e dar uma sacudida na vida em todos os aspectos. Pensei em sair da minha cidade e ir pra outra no Brasil mesmo… Mas sair da minha zona de conforto e enfrentar dificuldades em outra cidade no Brasil, com tudo igual, não me excita tanto quanto o fato de ir pra tudo diferente. Só queria muito poder me comunicar lá… Isso que me desanima tb…
    Ainda não sei bem o que fazer… Estou aguardando uma resposta do universo… rsr…(Brasil místico…kkkkk)

    1. ora, voce ao que me parece ainda e bem jovem, e com muito tempo ainda para estudar, entao basta voce saber pelo menos o ingles para voce poder ir viver em muitos paises da europa e oriente, alem de nova zelandia e australia, ou uma opcao mais facil e voce ir a qualquer pais quer pratique a lingua portuguesa, se voce pesquisar, vera que existem varios lugares nessas condicoes…de resto e so ter uma boa dose de vontade e coragem, e …dar de pinete…rsss…boa sorte

  3. Seu site é muito interessante, seus textos descrevem a experiência de alguém que realmente soube ir além da perspectiva comum. Infelizmente só vejo opiniões tão ricas assim de estrangeiros que moram por algum tempo no Brasil, infelizmente a maioria dos brasileiros que saem do país, não é pela curiosidade ou desafio de viver uma vida diferente e sim para melhorar de vida, não que não vá melhorar, pois a partir do momento que a pessoa acredita que será mais feliz em determinado país ela será mesmo, é uma coisa mais psicológica do que do país em si. E muitos não tem coragem de expor os defeitos dos outros países e qualidade do nosso, mas ficam imensamente felizes quando voltam ao país, acho que se tivesse mais pessoas como você, talvez as pessoas pudessem entender que uma pequena mudança de estado no seu próprio país, que é imenso, já podia melhorar muito sua vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.